domingo, 7 de novembro de 2010

Como se fosse a primeira vez

Texto publicado em 28/8/10 - ADAPTADO

Ela não se lembra de mim.


Por um problema de memória, toda vez que ela dorme, se esquece de tudo que eu fiz. No dia seguite, lá vou eu tentar reconquistá-la.

Não perco há oito jogos. Venci os últimos cinco. Deixei pra trás muitos que, antes do campeonato começar, diziam ser mais fortes que eu.

Mas já disse, a cada nascer do sol, todo meu esforço se torna inútil.

Eu, persistente, sobrevivente de muitas batalhas ao longo dos meus 106 anos, não desistirei. Você, minha linda, vale a pena.

Quarta-feira, lá no Castelão, te darei mais uma prova de que sou merecedor do teu amor, na esperança de que, um dia, você acorde e saiba que eu te amo.


*Nota: Venham cá, Alvinegros... Acabou? É isso? Eu enxergo, a loucura não me cegou (ainda). Sei de tudo que aconteceu e já foi dito. Mas amanhã, quando abrirem os jornais e sites esportivos, verão que nossas chances ainda não são zero. Claro, cada um é dono de si, e acredita no que der na telha. Só quero lembrar-lhes de uma coisa. Ao escolherem torcer para o Botafogo, como bem disse João Moreira Salles, vocês tomaram uma decisão madura pela contracorrente. E mais uma vez, a corrente está contra nós. Preferem entrar na onda? Vão fundo. Eu ficarei. E não estarei sozinho. Saudações Alvinegras.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sai do chão!


"Atenção, senhores passageiros, queiram tomar seus assentos, pois daremos início à nossa viagem. Esta aeronave destina-se ao Topo da Tabela do Campeonato Brasileiro, e tem duração prevista de sete meses."

Ainda não tive o prazer de voar. E penso que seja uma das melhores coisas da vida (menos para quem tem medo de altura...).

Há uma modalidade de voo que independe de asas ou condição financeira. Basta ter uma mente e sonhar. Antes de realizar qualquer coisa, primeiro, o ser humano sonha, deseja, idealiza, planeja.

Para que nossas ambições saiam do plano imaginário para o real, é necessário agir. Em um avião, equivale a encher o tanque de combustível, ligar as turbinas e decolar. Algo pode dar errado? Sim, já que não temos controle sobre todas as coisas. Porém, só há um meio de saber o que vai acontecer: tentando.

A chance do Botafogo não ser campeão brasileiro é bem maior do que a de um avião cair. E não caberá a alcunha de "tragédia" caso outro clube levante a taça no fim do ano.

Ah, as chances... São elas que, dependendo do tamanho, servem como impulso ou freio para nossa motivação. Se encarar o desconhecido já é tarefa difícil, só piora quando o êxito parece algo distante.

Mas existe outro sentimento, aliado à arte de sonhar: a . No jogo da vida, eis minha dupla de ataque. Não me guio pela voz das probabilidades. Apenas imagino, creio e tento. O "dar certo" eu deixo nas mãos de Deus.

Faltam cinco partidas. Trinta e um dias até o fim da viagem. Foram momentos de calmaria e tormenta. Jamais saímos da rota, embora cismem em dizer que não chegaremos.

"Há sempre a pequena chance
Do impossível rolar."
(Nando Reis - Sua impossível chance)

O céu é o lugar da Estrela! Saudações Alvinegras!

sábado, 30 de outubro de 2010

Leão Alvinegro

O rei Leônidas lutou.

Enquanto seus conterrâneos recuaram diante da derrota iminente, ele preferiu morrer gloriosamente.

Liderando trezentos espartanos, enfrentou um exército persa infinitamente mais numeroso. Perdeu. Mas perdeu de cabeça erguida, sem deixar de defender sua pátria.


Sebástian Abreu não é rei. Mesmo com suas qualidades e seu status de grande guerreiro, se coloca como mais um soldado da tropa Botafoguense. Ontem, junto a seus companheiros de batalha, e apoiado por um pequeno (porém valente) grupo de fiéis cidadãos Alvinegros, ele passou por situação semelhante à vivida pelo rei Leônidas.

O exército inimigo era maior. Bem maior. Além disso, o confronto se desenhou em terreno desconhecido, hostil. Condições suficientes para forçar uma rendição.

Menos para Sebástian.

Os soldados de defesa executaram à perfeição as ordens do general Joel. Obina, o guerreiro mais temido do inimigo, não foi capaz de superar nossa muralha.

Sun Tzu diz que "a invencibilidade está na defesa, a possibilidade de vitória, no ataque". Logo, era necessário ousar. E a ousadia teve nome: Edno. No tempo certo, ele chegou ao front. Ao lado de Sebástian, alcançou o que os 300 de Esparta não conseguiram: a vitória.

Mais uma batalha foi superada. Só restam seis. A próxima será em nossos domínios. Fácil? Nada pro Botafogo é fácil. Saudações Alvinegras!

*Leônidas I era conhecido como Leão de Esparta.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

A arte da guerra


Sete batalhas. Uma guerra.

Não há espadas, canhões, fuzis ou armaduras. Mas há semelhanças entre os embates históricos e o futebol.

Confronto entre nações: ambas têm o preto e o branco em seus pavilhões. São adoradas por milhões de leais súditos. Passaram por grandes humilhações, mas se reergueram. E amanhã, se enfrentarão com objetivos opostos.

Duelo de generais: de um lado, Dorival - o destemido. Expulso da liderança de outra tropa por não abrir mão de suas convicções, agora está no comando de uma missão dita impossível. Do outro, Joel - o persistente. Ele já passou por grandes triunfos (e reveses) em sua vida. Sua capacidade é contestada, mas o próprio diz não se abalar com as vozes contrárias. Nem quando elas vêm do seu próprio povo.

Guerreiros: em todo exército, há os destaques. Guerreiros que, por suas qualidades na arte da guerra, são reconhecidos e respeitados. Jóbson, Réver, Diego Souza, Marcelo Mattos, Obina, Loco Abreu. Deles, vêm a esperança de seus povos na vitória.

Sete Lagoas. A batalha será em campo inimigo. As condições não parecem favoráveis. Diante de nós, haverá uma Tropa de Elite.

Só que eles não são imbatíveis. Nosso exército também é forte, qualificado, determinado, destemido. A glória é nosso destino. O sucesso está em nossas mãos.

Sun Tzu diz:

"Não adies o momento do combate, nem esperes que tuas armas se enferrujem e o fio de tuas espadas se embote. A vitória é o principal objetivo da guerra."
"A invencibilidade está na defesa. A possibilidade de vitória, no ataque."
"É por seu ímpeto que a água das torrentes corrói os rochedos."

Saudações Alvinegras! Rumo ao topo!


domingo, 24 de outubro de 2010

Uma nova esperança

CHEGA DE EMPATAR!

Já não havia mais paciência. Todas as desculpas chegavam a soar como ofensas a quem, um dia, acreditou no sonho de ser campeão.

Eu disse "um dia, acreditou"? Perdão, tempo errado.

EU ACREDITO. Ora, por que desistir? Sei que não temos o melhor time. Ainda que o fantasma das lesões não resolvesse se hospedar em General Severiano, a tarefa não seria mais simples. E daí?

O jogo de ontem foi parecido com todos os outros da sequência maldita. Logo, tudo levava a crer que o final também se repetiria. Porém...

Ah, dessa vez, o porém estava do nosso lado. Claro, algumas verdades permanecem. Lucio Flavio não pode envergar o manto que já foi de Mané. Aliás, ontem foi aniversário do "rei do futebol".

(Sim, Garrincha é melhor que Pelé. E tem gente que concorda comigo.)





Enfim, como dizia, o porém estava do nosso lado. A história de Botafogo x vitória teria um final feliz pra nós. Esse rapaz aí, de punhos cerrados e sangue nos olhos, nos relembrou quão saboroso é o gosto de vencer.







Foi sofrido? Alvinegro já nasceu pronto pra sofrer. Foi feio? Valeram três pontos, do mesmo jeito. Só sei que não ligo pra tal da lógica. Impossível? Veremos...

PRA CIMA DELES, GLORIOSO! ♫ Saudações Alvinegras!

sábado, 9 de outubro de 2010

Isso aqui tá muito careta...

Eu sei que estamos a nove pontos do atual líder. Também estou ciente de que restam apenas 10 jogos para o fim do BR-10.

Conheço a torcida do Botafogo. Tenho quase uma década de arquibancada. Vi como ela é capaz de botar fogo (trocadilho inevitável) no time. E de como sente o baque nos tempos difíceis.

Mas, cá entre nós, seja sincero com este blogueiro: acabou?

Estamos falando de futebol. O improvável anda de mãos dadas com este esporte, desde sempre. Não vou perder tempo listando exemplos; você, com certeza, há de se lembrar de alguns.

É fácil ir na onda da maioria. De tanto que vuvuzelaram nos ouvidos alvinegros, alguns que demonstravam crer no título se esfriaram.

Agora só restaram os loucos. Aqueles que não olham pra tabela de classificação. Aqueles que mantêm o "botão do DANE-SE" ligado pros "realistas". Aqueles que cantam, não pra algum jogador. Só pelo Botafogo.

"Pra quem tem pensamento forte, o impossível é só questão de opinião", já diz a letra da música de nome bem propício: "Só os loucos sabem". Não sei quanto a você, amigo, mas...

EU SOU UM LOUCO E NADA VAI ME ABALAR! Pra cima do palmeiras! Saudações Alvinegras!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Reflexão

Ao ver Elizeu errar aquele passe, já me preparei pra ver o gol de empate. Aliás, durante todo o segundo tempo, meu desejo era que, se fosse pra entregar, pelo menos não deixassem pros minutos finais.

Estou me lixando pra desfalques, campo ruim, arbitragem, enfim, todos os argumentos que usam pra justificar essa má fase. Em toda sua história, nada disso foi suficiente pra ofuscar a Estrela Solitária. Contra tudo e contra todos, ela sempre brilhava.


Quando olho os jogadores que vestem nosso manto Glorioso, fico a imaginar: "eles sabem que estão em um clube GIGANTE?" Passa pela mente desses homens algum sentimento de responsabilidade?

"Tem muita raça, tem muito culhão, este é um time grande" - Sebástian "El Loco" Abreu.

Só você, Abreu. Só você parece saber disso...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

El hombre, la lenda, el mito

Amigos, para llevar nuestra camisa, el principal requisito es sangre. Corazón. Puede ser que carece de calidad, no siempre es posible tenerlo.

Pero el orgullo de defender nuestros colores es esencial. Y Loco Abreu lo tiene de sobra. Aunque con pocos meses de Botafogo.

No tengo a Abreu como ídolo por ser el mejor jugador del mundo.


Este gesto lo justifica todo. Ningún atleta en el grupo actual tiene más cojones que El Loco. Ningún.

¿Vamos a ser campeones? ¿Quién sabe? Sólo sé que nuestro 13 nos honrará. Saludos.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Estrela da vida inteira




Um ato de celebração.

Caso me perguntassem o que é torcer para esse clube, responderia com a frase acima. Mas celebrar o quê, exatamente?

O Botafoguense celebra a vida. Comemora a chegada do trem à estação, o embarque e o desembarque. Festeja o encontro com os amigos, ou melhor, os parentes. Ali, na diversidade de classes e raças, todos são preto e branco, branco e preto.

Defesa, desarme, drible. Gol! E dá-lhe Fogo! Momento de ações de graça. A Deus, ao santo, à camisa da sorte, à própria memória, por ter lembrado de todos os rituais...

Vozes que saem da garganta. "Ninguém cala esse nosso amor". Tormentas vêm nos abalar? "Momentos ruins eu já vivi, mas nunca parei de cantar". Mesmo com esses pernas-de-pau aí? Simples: "sempre iremos te apoiar".

Somos guiados por uma estrela. Alvinegro não abaixa a cabeça porque a estrela está no céu. É pra lá que nossos olhos e sonhos se voltam.

Quando tudo parece conspirar contra, quando não há razão aparente para sorrir, logo lembramos do que nos move: o Botafogo existe! Eis o motivo maior da nossa celebração.

Glórias ao Glorioso!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Setembro negro?

Quando se fala de Botafogo, nada é fácil.

Sofrer é uma marca de nascença. Isso nos torna diferenciados. Somos capazes de chorar de alegria e rir da dor. Mas também acabou criando em alguns um "complexo de Hardy", um negativismo que é disfarçado de "realismo".

Setembro se desenhava nebuloso. Vitória contra o prudente, mas uma desavença entre Joel e Loco Abreu. Depois, empate em casa e um princípio de incêndio.

Logo apagado pelo "bombeiro" uruguaio. Duas vitórias e a distância para o líder já não é mais tão grande. Só que nada é fácil, lembram?

As contusões apareceram. E aos montes. E de jogadores importantes.

Hora de desanimar? JAMAIS! A nossa sequência é um teste de fogo. Se tecnicamente, o time está enfraquecido, há um fator que pode compensar:


A história (curta, mas real) conta que jamais perdemos com casa cheia. Por si só, já bastaria pra te motivar a largar o sofá. Mas veja: o que "sobrou" não é tão ruim assim! Jefferson, Maicosuel, Abreu...

Não importam os nomes nas camisas. O que vale é a camisa que eles vestem. Azar? Faça como eu, risque essa palavra maldita do dicionário. Será apenas uma história que teremos pra contar a nossos filhos.

Acreditem! Saudações Alvinegras!

domingo, 12 de setembro de 2010

Muito prazer, eu sou o Botafogo!

Saudações Alvinegras! Particularmente, eu gosto quando o Botafogo não está sob os holofotes da grande mídia.

Eu só queria pedir uma coisa: R-E-S-P-E-I-T-O! Não é concordar com nossa opinião regada a paixão e otimismo, é apenas lembrar que estão falando do BOTAFOGO DE FUTEBOL E REGATAS.

Quando vencemos cinco partidas consecutivas, a desculpa estava na ponta da língua: "só pegaram baba". Engraçado, pois derrotamos o atlético-go lá, o mesmo que bateu líder e vice-líder na sua casa.

Mas não estou aqui pra dar atenção aos céticos. Afinal, que vitória hoje! Isso que deve ser exaltado! Nosso Glorioso, mesmo assolado por lesões, dominou o são paulo. Jason? No Encheião ele não apareceu!

Se no primeiro tempo houve chuveirinho em demasia, na volta do intervalo o time mudou. Mais bola no chão, mais jogadas em velocidade, e as chances se multiplicavam.


Até que ele de novo, Loco Abreu, botou a redonda na rede. EXPLODE, TORCIDA ALVINEGRA! O jogo ficou à feição, do jeito que Joel gosta. E num contra-ataque, Edno guardou o segundo, pra não deixar dúvidas.

É bom que seja dito: nada de soberba por aqui. Confiança é vital em todas as áreas da vida. Eu falo em título desde antes do campeonato começar.

E já posso sentir o cheiro da minha amada... Abraços!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Mucho Loco!

Assim é o Botafogo. Quem conhece e ama esse clube sabe que a superação vem quando ninguém acredita.

Nós, seguidores da Estrela Solitária, reclamamos da diretoria, do treinador, dos jogadores, até da própria torcida. Mas não permitimos que "estrangeiros" façam o mesmo.

Na noite de ontem, mesmo com o prognóstico nebuloso (volantes demais para quem prometera ser ofensivo), a esperança era de vitória.

Sem lógica, só feeling. E a cada milagre operado por Jefferson, um sorriso me vinha ao rosto, ao passo que o coração Alvinegro espancava.

Quem seria o co-herói, aquele que, junto com nossa muralha, estamparia as primeiras páginas como autor do gol do alívio?



Podia ser qualquer um. Tinha que ser El Loco.

A arrancada continua. Cada vez mais consolidados no grupo dos líderes. Ainda desconfiam de nós, mas melhor assim.

Saudações Alvinegras!

domingo, 5 de setembro de 2010

Balanço Alvinegro

Acabou o primeiro turno do Brasileirão. Não literalmente, pois duas partidas foram adiadas.

Mas pro Botafogo, sim. Lá se foram 19 jogos em quatro meses. E nos próximos três, os outros 19 serão disputados. A parada para a Copa do Mundo é a explicação para essa diferença entre os turnos.


Nossa distância para a ponta da tabela já foi muito maior. E se lembrarmos que passamos oito rodadas sem vencer, estamos bem, de certa forma.


Tropeços são normais. Seja por desfalques, arbitragens ruins ou
burrada do treinador.

Aí está nossa campanha, esmiuçada. Dá pra notar que, nos "jogos grandes", fomos muito mal. E quem quer ser campeão tem que vencer seus concorrentes.



A jornada se inicia contra o santos, na quinta. Logo no Pacaembu, 15 anos depois. Que seja um presságio de bons ventos a nosso favor. Saudações Alvinegras.

Bola da vez


Veja só... Alvinegro, não sou (nem tenho pretensão de ser) o dono da verdade. Tem gente que concorda, que discorda, ou que não tem opinião, apenas acompanha a maré.

Este senhor aí na foto bate nos peitos, bradando ser um bom treinador. Diz que acerta mais que erra. Que é um vencedor. Mas daí a mostrar tamanha altivez na fala, no jeito de armar sua equipe, no trato com a imprensa... Este senhor se acha o melhor do mundo?!?!?!

Hoje, o fácil tornou-se difícil. Graças a ele. Escalação ultraconservadora para quem diz brigar pelo título. "Mas fez 2 a 0 em 20 minutos, Ricardo!".

Usando as palavras do próprio, "uma vitória mascara muitas coisas". Depois do segundo gol, o Botafogo parou. Também, não tinha quem puxasse contra-ataque, quem mantesse a bola sob nossa posse. Aliás, tinha, mas estava no banco.

Então, só após o grêmio diminuir a vantagem, vem a substituição. Caio. CAIO?!?!?! Aí é demais. Será que tem empresário mandando colocar o garoto todo santo jogo? E por que deixar o time sem referência na frente? Como ganhar desse jeito? Na sorte?

Ela te abandonou hoje, Natalino. Não é assim que se ganha campeonato. O Carioca aconteceu, beleza, mas não é parâmetro. Só o senhor não enxerga.

Então, o pessoal do sul, que já pensava como explicaria uma goleada, saiu daqui com um empate. E nós temos que aturar o professor na coletiva, dizendo que não errou. Por favor, piada tem hora.

Enfim, taí minha opinião. Concordando ou não, chega mais. Saudações.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Contagem regressiva

Lutaremos pelo título.

Já venho afirmando isso há algum tempo. Aliás, quem torce para um grande clube não pode pensar diferente. Nunca, jamais. A meta é o topo.

Um campeão se faz de talento. De determinação. De sorte. E, claro, de fé. O primeiro passo pra algo dar errado (não só em futebol, na vida em geral) é não crer.

Por isso, convoco aos irmãos Botafoguenses a começar uma contagem. FALTAM OITO! Esse número representa a distância que nos separa do líder momentâneo do BR-10. Que, diga-se de passagem, está longe de ser imbatível ou franco-favorito.

Ainda faltam 20 batalhas. Há que se jogar sempre com espírito de final. Temos jogadores decisivos. Jefferson, a nos salvar na defesa. Maicosuel, que voltou pra se consagrar. E temos nós, a torcida. A fórmula é simples: Engenhão lotado = Botafogo forte.

Ah, a vitória de ontem? Valeu três pontos, já diria Cleber Machado, e é isso que importa. Está contando? FALTAM OITO! Saudações Alvinegras!

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Hora de la cumbia




Muitos hão de se l
embrar. Quando contratado no início do ano, Washington Sebástian Abreu Gallo foi recebido com festa pela torcida Alvinegra, ao passo que os rivais zombavam.

Também pudera, o clube da lagoa tinha o "império do amor", o vasco trouxe Dodô e a quinta força manteve Fred. Logo, a opinião pública taxou o Botafogo como o quarto ataque do Rio.

Pois bem, o ano foi se desenrolando, e os "poderosos" sucumbiram ao uruguaio magrelo, um a um. Três gols em seis clássicos, porém todos decisivos. E um em especial não me sai da memória...


O BR-10 chegou, Abreu foi à África, participou da épica campanha Celeste (que ganhou um torcedor), e quando retornou viu sua vaga de titular ser ocupada por Jóbson.


O moleque é merecedor, claro. E com a sequência de vitórias, Joel preferiu dar continuidade à formação que nos levou ao G4. Aí, eis que uma vaga se abre, na ausência do filho do trabalho.

O professor não confessou, mas El Loco começará a partida de amanhã, contra o prudente. Decisão prudente. (não resisti)

Acima das questões técnicas e táticas, ganhamos um vencedor. No grupo, não há outro cara tão vivido, cascudo, com a força mental que o camisa 13 tem. Bom que ele está do nosso lado.

A quem ainda é cético, aguarde. Saudações Alvinegras.

*Para ouvir La Cumbia del Loco, clique aqui.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Preparados pra correr?

Amigos e amigas, bom dia. Não pude fazer o já tradicional post pós-jogo. E isso me deu uma ideia. Como a partir de agora, o Brasileirão terá rodadas nos meios de semana, meus textos serão publicados entre os jogos.

Pra começar, falo justamente da maratona iniciada no último sábado, com vitória sobre o avaí. No estilo que se ganha campeonato: o importate são os três pontos na conta.

Até o dia 10 de outubro, serão 14 duelos. O Botafogo engatou uma boa sequência justamente quando teve semana cheia para treinar. E agora? Dois aspectos fundamentais para um time campeão serão testados: condição física e qualidade dos reservas.

Não temos laterais de ofício além dos titulares, e estes não são unanimidades. O ataque, nosso ponto forte (cantei essa pedra antes da estreia de Jobson e Maicosuel), está muito bem servido. Nas outras, tranquilo, na média.

Aí é que entra o fator casa. Fomos agraciados pela tabela. Dos 7 jogos com mando nosso, seis serão aos sábados e domingos, facilitando a presença do torcedor.

Quem esteve no Engenhão, como eu (fui em 5 de 8), sabe que nós fazemos a diferença. Agora é a hora de comprar essa briga. Os líderes não podem fugir.

Então, faço o convite:

Saudações Alvinegras!


créditos da imagem: André Guedes (@zedascharges)

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Exemplo Glorioso

O Botafogo é predestinado. Se não fosse, já teria se tornado um América, um Bangu.

Da forma como foi gerido, sob as mãos de incompetentes, qualquer clube teria caído no ostracismo.

Mas nenhuma nuvem foi capaz de encobrir o brilho da nossa Estrela.

Pra chegarmos a um patamar mais elevado, é preciso base, lembro. Não adianta ser "apenas" iluminado, tem que fazer acontecer.

Queiram enxergar ou não, desde janeiro do ano pasasdo, o olhar de quem dirige nosso Glorioso está voltado para isso.

"Ah, mas brigou pra não cair!" O Internacional, hoje multicampeão, escapou do rebaixamento na última rodada, em 2002. Primeiro ano da gestão Fernando Carvalho.

Um homem que foi criticado por não pensar no hoje, no imediato. Ele pensava mais além. Por isso, deu preferência em preparar a terra, em vez de plantar e colher qualquer coisa.

E Mauricio Assumpção se espelha nele. Vendo o presente de conquistas do Colorado, parece que nosso presida escolheu bem o exemplo.

Creio que nossa hora chegará. É difícil esperar tanto tempo? Claro que sim! Mas a terra está sendo preparada, as boas sementes sendo selecionadas. Enquanto isso, façamos nossa parte.

Saudações Alvinegras.

sábado, 14 de agosto de 2010

Da água pro vinho



A vida muda de minuto a minuto.

Não, não fui eu que inventei essa frase. Mas representa bem o momento vivido pelo Glorioso.

Final de julho, décima-oitava colocação na tabela. Time vaiado, Joel também.

Bastaram 15 dias. Três triunfos incontestáveis, e a subida foi meteórica.

Méritos? Ah, pra todo mundo! Desde o clássico contra o flor, a atitude do time já havia melhorado.

E com a chegada de material qualificado, a tendência era que fizéssemos as pazes com a vitória.

Pra fechar: viu como é bom trazer os pretinhos, presidente? Saudações Alvinegras!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

De novo?

Republicação do post de 1/6/2010

O que eu acho dessa pesquisa

Só uma resposta pra quem fica de palhaçada por causa dessa pesquisa de torcidas...



Mais uma vez, a velha discussão da distribuição de torcedores pelo Brasil vem à tona.

Segundo dados do Lance!, 7.109 (de novo: SETE MIL CENTO E NOVE) pessoas foram ouvidas. Em um país de 200 milhões de habitantes.

Por mais randômica que seja a escolha de entrevistados, os lugares visitados, as classes sociais, não dá pra dizer que é um retrato da realidade. Tá mais pra esboço, daqueles bem primitivos.

Vai contar vantagem porque teu time "tem mais torcida" do que o meu?

Já dei a resposta..

domingo, 8 de agosto de 2010

É pra aplaudir de pé!

Saudações Alvinegras! Que noite tivemos ontem, na nossa casa! Pra contar a história do jogo, a dividirei em três partes, como três atos de um espetáculo.

Primeiro ato: festa! Na entrada do Glorioso em campo, a torcida deu show. Uma tempestade de papéis e bandeiras saudava a chegada do novo Botafogo. Um Botafogo praticamente ressurreto. Segura que eu quero ver...

Segundo ato: magia! E ele disse que pode render mais... A grande maioria das contratações feitas para 2010 foram contestadas. Com Maicosuel não foi diferente. Ainda há muito o que provar, sim, mas o esboço inicial dá esperança para nós. E coloca preocupação nos rivais...

O atlético-mg é freguês, dirão os céticos. E que fidelidade! Não importa a fase, o local, a qualidade... Eles fazem questão de nos prestigiar. Voltem sempre!

Mas calma, é claro que vou enaltecer a atuação Botafoguense! Um time mais firme na defesa, fluente no meio e infernizante no ataque. Até ele, Alessandro, não comprometeu. Talvez, separado das más companhias (que ganharam o banco de reservas), possa ser útil, talvez.

Terceiro ato: loucura! El Loco fez o Engenhão tremer. Saiu um ídolo, o Mago, entrou outro. Confesso que os quero jogando juntos, e acho que acontecerá. De qualquer forma, o Botafogo mostra sua força, que não é mais restrita aos 11 titulares.

Gostaram do espetáculo? Sábado é lá em Goiânia, contra o xará do galo. Aqui no Rio, já tem data marcada: dia 21 desse mês. Você está convocado! Abraços!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Se chorei ou se sorri...



Não tenho muita habilidade pra falar sobre a passagem dos anos. Foram poucos, e ao mesmo tempo tantos...

Muita coisa mudou desde o 6 de agosto de 1990. Antigamente, não se faziam posts sobre aniversários. O telefone era o encurtador de distâncias.

"Emoções". Tantas que palavras não são capazes de descrever. Por isso o clipe, do especial de Roberto Carlos. Música pra velho? Fale o que quiser...

Mas hoje, é minha trilha sonora.

Abraços!

domingo, 1 de agosto de 2010

A mudança começou



Tinha que ser à la Botafogo.

Sofrido, chorado, suado. A chuva foi só um alimentador do drama. Gramado péssimo, pouca qualidade técnica. Primeiro tempo estéril.

Como sempre, o time melhorou com três atacantes. E como sempre, após a saída do Pantufa. Fahel perdeu a chance de amenizar sua relação com a torcida. Fora, seu...

Não vou me prestar a xingar esse inútil. Continuando...

Jóbson arrancou sob a marcação de 3 homens. Após errar tudo o que tentara até o momento, achou Edno na área. Sem perdão. Na saída de bola, cochilo. Empate dos baianos.

Mas fazia parte do roteiro. Coração de botafoguense tem que estar em dia, amigos. Nova saída, e o desempate. Jóbson, agora consumando o fato. Três minutos, três gols.

De nada adiantou o abafa do mandante. E pra selar a vitória (e o começo de uma nova era), novamente ele. Chamou o beque pra dança e fuzilou. JobGol voltou!

A chuva da "boa terra" lavou a alma dos Alvinegros. Sábado, o Engenhão é meu destino! Saudações!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Águas passadas?

Como todos sabem, Washington retornou ao clube do pó-de-arroz.

A história do jogador nas Laranjeiras foi marcada pela épica campanha na Libertadores, que foi consagrada com o vice-campeonato no Maracanã mais colorido de todos os tempos.

Ao sair, a camisa nove ficou para Fred. A torcida tricolor, que nunca chegou a amar o "Coração valente", resolveu homenagear o novo "ídolo" de uma forma interessante...





Deve ser estranho olhar pra uma arquibancada composta por gente que mandou você "se f#der". E o pior: o presidente do seu clube e seu companheiro de grupo também cantaram!

Tem coisas que só acontecem nas Laranjeiras...

domingo, 25 de julho de 2010

Tudo novo de novo



Pra quem viu nosso último jogo, contra o Palmeiras, o filme de Botafogo e Restart, digo, Fluminense foi parecido.


Jogamos bem a primeira etapa, dominando as ações, mas sem efetividade no arremate. E como justiça no futebol é bola na rede, tomamos gol no 2º tempo.


Aí, com a vaca se encaminhando pro brejo, Joel mexe no time. Você não engana mais ninguém, professor. Você não terá o nome gritado, só porque conseguimos os empates após suas substituições. Pra começo de conversa, os caras sacados não deveriam envergar nosso Manto Glorioso.


Tá, beleza. Aí, fomos lá e empatamos, fizemos a "máquina tricolor" de sparring, mas a virada não veio. E a conta só aumenta. Oito jogos sem vencer.


Arbitragem? É ruim, sim. Esse senhor, o mesmo que não expulsou o anão marrento da beira da lagoa ano passado, após o mesmo ter um ataque de pelanca ao ser humilhado pelo MagoCruel, é dos mais fracos. Ser prejudicado em casa é ainda pior.


Mas não mudemos o foco. Temos problemas, que só muito trabalho pra consertá-los. E pode ser que quem comanda os tais trabalhos não esteja rendendo o esperado.


Domingo que vem, já com o Mago no time, esperamos vitória. Nossa, não do Vitória. Saudações Alvinegras.

sábado, 24 de julho de 2010

Ressurgindo das cinzas




Clássico sempre gera uma emoção diferente. A vitória é mais saborosa, à proporção que o insucesso é mais amargo.

O filme parece meio repetido, e isso é bom. Ainda não descobri o porquê, mas o Botafogo vai bem quando é colocado como azarão e paga mico quando é favorito.

Do lado colorido, a euforia tem nome: a permanência do Muricy. Serelepes pela liderança conquistada, vem cheios de pompa, querendo fazer festa na nossa casa.

E daí? Alguém aí tem medo disso tudo?

O Glorioso, o meu Glorioso, tem a superação como sobrenome. Quando tudo está perdido, a Estrela Solitária brilha mais forte. Amanhã, mesmo com todos os problemas conhecidos, dissecados e reclamados, confio no resultado favorável.

Se você ainda desconfia, pelo menos encare como o último jogo de uma era, já que no próximo domingo Maicosuel, Marcelo Mattos, Elizeu e (oremos) Loco Abreu devem estrear.

Nunca é demais lembrar: o Botafogo tem a capacidade de se reerguer quando ninguém acredita.

Saudações Alvinegras.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Heróis

Empatamos, sim. Estamos há... Peraí, vou fazer as contas... Ah, sim: estamos há sete jogos sem vitória. Então, por que o título "Heróis"?

Porque o Botafogo é herói em cada jogo. O meu Botafogo é. Esse aí, perdeu a essência. Andou moroso, como que não conhecesse a própria história.

Tudo bem que, no futebol, a técnica é primordial. Mas o mínimo que a gente exige é VONTADE DE ACERTAR. Errar é aceitável. A omissão enoja.

Lá no Pacaembu (ah, 1995...), a parada estava perdida. Jogamos um bom 1ºtempo, mas na volta do vestiário, um surto. 2 a 0 Palmeiras, assim, sem resistência.

Aí, a essência Alvinegra despertou, como que num toque divino. Garrincha, talvez? Eu sei lá...

A derrota iminente foi negada. Pontinho comemorado. Pra nós, pouco.

Mas foi bom ver que a Estrela Solitária lutou. Resultado? Tanto faz. Hoje, durmo feliz. Deixo pra pensar com a cabeça amanhã.

"Foste herói em cada jogo, Botafogo..."

terça-feira, 20 de julho de 2010

Gente nova. Gente boa?



Não sei se resolverão, mas estão aí os novos contratados do Botafogo.

O da esquerda é Marcelo Mattos. O da direita, Elizeu. Ambos jogadores de combate no meio-campo. MM fica mais na frente da zaga e também chuta forte. O outro eu não conheço. Diz que defende e ataca, o tal do "jogador moderno". A conferir.

Uma coisa é certa: a diretoria se mexeu. Pela fase, MM chega e joga. E Leandro Guerreiro que se cuide. Elizeu pode surpreender.

Aí, Papai Joel: estão trazendo os caras! Faz tua parte agora! Nós vamos cobrar, mesmo que você não goste. Ou esqueceu que pra isso existimos?

Saudações Alvinegras.

domingo, 18 de julho de 2010

Salgou pra você, Papai Joel...



Sem inspiração pra escrever. Só raiva. Muita raiva.

Nem me venha com arbitragem. Fomos prejudicados? Sim, mas não tira a obrigação de golear o Guarani.

Como é possível o time piorar tanto? Treinaram pra isso?

Vamos aos fatos. 5 jogos em casa. 1 vitória, quatro (eu disse QUATRO) empates.

E aí, Joel? O que tá faltando? Vai pro inferno...

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Resumão da rodada #8

No recomeço do Brasileirão, alguns fatos merecem destaque. Vamos a eles!

Só o Palmeiras salva
: Dos 6 times de SP, o Versão foi o único a vencer. E logo um clássico, contra o Santos. Não era Felipão no banco (Murtosa dirigiu a equipe), mas os louros da vitória já estão na conta do pentacampeão.

Dá-lhe Minas: Atlético e Cruzeiro voltaram das mini-férias vencendo. O lado azul de BH tinha Cuca estreando no comando, e bateu o Atlético-PR fora de casa. O Galo, em Sete Lagoas, venceu o seu xará de Goiás. E pra variar, Fábio Costa falhou. Ê praga no gol...

Gávea fora das páginas policiais: no clássico contra o Botafogo, o clube da beira da lagoa venceu a crise e o favoritismo Alvinegro. Também foi o único do RJ a vencer, já que Vasco e Flu empataram. Aliás, parabéns ao FH pelos 250 jogos no Tricolor.

Pra completar: Os times do RS tiveram momentos distintos. Enquanto o Grêmio empatou no Olímpico, o Inter foi a Campinas e voltou com um 3 a 0 animador, na estreia de Celso Roth. E parabéns a Antônio Lopes, que estreou (mais um) pelo Avaí batendo o São Paulo.

Se tiverem algum outro destaque, a caixinha está aí! Comentem!


quarta-feira, 14 de julho de 2010

Mais do mesmo





O Brasileirão voltou. E logo nessa retomada, um clássico, contra nosso rival da beira da lagoa.

Papai Joel, como sempre, armou sua retranca. Ora, deu certo no Carioca, por que não repetir? Eita teimosia... Ele próprio diz que futebol não tem receita de bolo, e persiste nesse esquema covarde.

Assim, eles foram melhores no primeiro tempo. Pelo menos tinham mais a bola. Os destaques eram os goleiros, Marcelo Lomba e Jefferson. Sinal de que ambos os atacantes estavam descalibrados.

Que o diga Caio. De cara pro crime, chutou pra fora o gol que mudaria a história do jogo.

Depois do intervalo, um sopro de esperança. Com Edno, a ordem era atacar. Joel esperava que o filme do Estadual se repetisse... Logo ele, tão experiente, acreditando nessas coisas.

Sem nada a ver com nossos problemas, não é que o time das páginas policiais fez um gol? E nas costas do Alessandro! Agora eu me espantei... #ironicmodeon

Nem a reestreia de Jóbson foi suficiente.

Assim, com os mesmos erros de antes da parada pra Copa, perdemos mais três pontos. Pura bobeira.

E agora, professor? Vai continuar a nos torturar ou vai fazer o óbvio?

Domingo, não há outro resultado a não ser a vitória. Chega, fui.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

À estrada dos louros

Saudações!

Finalmente a Copa acabou! Não que eu não goste. Sou apaixonado. Grandes jogos, grandes craques, estádios barulhentos, belas mulheres... É, podia esperar mais um pouco...

Mas quarta-feira volta o Campeonato Brasileiro. 31 rodadas, 5 meses. E nenhuma previsão. Como diria o filósofo, pode dar qualquer coisa.

Resolvi escrever este texto com um objetivo claro: motivar você, Botafoguense de fé, a acreditar no título. Sei que um traço da nossa personalidade é o pessimismo. Acabar com isso não é minha tarefa, nem de ninguém.

Só que o Botafogo precisa de nós. Não temos um time dos sonhos, e talvez aquela época de ouro nunca mais volte. Não seremos dominantes no futebol nacional, como Lyon, Internazionale, Barcelona... E daí? Desde quando nosso amor é condicional?

Levantar a taça em dezembro é um sonho real. Olhe pros concorrentes. Supertime? Bicho-papão? Não há!

Sei que a caminhada é árdua. Aliás, nada do que já conquistamos foi fácil.

Mas você, Alvinegro, pode ajudar. Quando nós estamos na arquibancada e apoiamos nosso time, o impossível deixa de existir.

Ninguém pode calar nosso amor. E esse é o combustível pra elevar nossa Estrela ao topo do Brasil. Saudações Gloriosas Alvinegras!


domingo, 11 de julho de 2010

Dream Team da Copa do Mundo

Acabou a Copa do Mundo. Como passou rápido...

E toda Copa tem seus melhores. Aí vão eles:


Melhor goleiro (luva de ouro): Iker Casillas (Esp)

Chuteira de ouro: Thomas Müller (Ger) *pelo número de assistências, 1º critério de desempate
Bola de bronze: David Villa (Esp)
Bola de prata: Wesley Sneijder (Ned)
Bola de ouro: Diego Forlán (Uru)
Revelação: Thomas Müller (Ger)

Bom, e eu tenho minha seleção ideal. Que tal?





O uniforme tinha que ser da campeã Espanha.

Agora, passo a bola. Diga na caixinha qual seria sua seleção do Mundial!

Campeones!


O mundo saúda os novos campeões mundiais!

O time que jogou o melhor futebol desde que começou esse ciclo de Copa teve seu trabalho coroado hoje, no Soccer City.

Trabalho que começou com Luis Aragonés, campeão da Eurocopa. E muito bem sequenciado por Vicente del Bosque.

Heróis? Como não falar de David Villa, co-artilheiro do campeonato, com cinco gols? E de Puyol, soberano, soberbo na defesa?

Quando este falhava, lá estava Casillas. Um milagreiro. Como cresce em decisões. Citemos Xavi, o maestro. Senhor do meio-campo.

Mas um jogador tem que ser destacado. Graças a um holandês, Rijkaard, seu primeiro treinador no Barcelona, seu futebol apareceu.



E hoje, os holandeses viram do que Andrés Iniesta é capaz.

Na comemoração, um camiseta, uma frase: "Dani Jarque, sempre conosco". Jarque faleceu há um ano. Linda dedicatória.

Ele não foi "o craque" da Copa. Durante o jogo, foi preciosista. Mas na hora fatal, ele não "amarelou". Aliás, a Espanha deveria ter refugado, certo, sabichões?

Não há mais o que falar. A taça está onde merecia estar.

sábado, 10 de julho de 2010

Palmas, muitas palmas!


O que vale uma disputa de terceiro lugar?

Na cabeça de muita gente, nada. Aliás, pra essas pessoas, só o campeão merece ser respeitado.

Mas Uruguai e Alemanha merecem os aplausos do mundo. A Celeste, após chegar à Copa pela repescagem, superou o grupo mais equilibrado. Fez frente a duas seleções europeias, quando a goleada era tida como provável.

Uma delas foi o adversário e vencedor do jogo de hoje. Os jovens alemães não eram favoritos. Tornaram-se a sensação. Mas não era a hora do título. O caminho pra 2014 está bem pavimentado.

Decepção por jogarem hoje, em vez de amanhã, no Soccer City, existe sim. Todos querem chegar ao topo. Todavia, quando esses jogadores lembrarem de 2010, sentirão orgulho.

Porque deram seu melhor.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Arsenal: chegou a hora!?

Ainda é Copa do Mundo. Mas daqui a poucos dias, a bola volta a rolar no Brasil e no Velho Continente. O Arsenal, que pra quem não sabia, é meu time na Inglaterra, ainda luta por seu primeiro título desde que mudou de estádio.

Como sempre, Wenger vai à procura de reforços em lugares menos conhecidos. Assim, trouxe o zagueiro Koscielny, do Lorient (Fra). A princípio, será reserva de Vermaelen e Gallas. Mas já supre a carência no banco. Silvestre foi-se pro mundo árabe. Que nunca mais volte!

Na parte ofensiva, a esperança está em Chamakh, ex-Bordeaux (Fra). Os Gunners não têm um goleador desde a saída de Henry. O marroquino chega pra ser titular.

Ainda há especulações. Felipe Melo é o mais provável. Sobre goleiro, outra posição carente (já que Almunia não dá segurança pra ninguém), nada. Então, considerando quem já está contratado, a equipe deve ser escalada no 4-3-3.


Football Fans Know Better


É isso. Ainda há as opções de Song, pra aumentar a marcação no meio-campo, e Rosicky e Walcott, pros lados. A nós, torcedores, é esperar e confiar nesse time, que tem reais chances de reconquistar a Premier League, após 7 temporadas.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Dream Team das semifinais

As semifinais da Copa do Mundo levaram emoção aos torcedores e aos fãs de futebol. Espanha e Holanda duelarão pelo primeiro título mundial. Enquanto a bola não rola, aí está minha seleção dos jogadores que se destacaram nesses dois jogos sensacionais:


Football Fans Know Better


Diga na caixinha qual seria sua seleção! Abraços.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Nós estamos na final!


Aí está. Fazendo jus ao favoritismo, a Espanha chega à sua primeira decisão de Copa.

Pragmática, talvez. No mata-mata, três vitórias por 1 a 0. Mas duvido que eles se importem.

Hoje, em Durban, o obstáculo era a Alemanha. Peso da camisa, melhor ataque, melhor futebol da Copa. Motivos não faltavam para apontar a Fúria como azarão.

Desculpem o clichê, mas o jogo é jogado onde o lambari é pescado. Ali, no gramado, o time de vermelho mandou e desmandou. Os alemães esperavam o contra-ataque fatal, que não veio.

Com a paciência que marcou sua campanha neste Mundial, eles foram tentando. Empurraram o rival na parede. O gol parecia questão de tempo. Villa decidiria de novo?

O herói foi Carles Puyol. Do alto de seus 1,78 m, ele subiu mais do que todo mundo para levar uma nação ao delírio.

Quem vai ficar com a taça? Quem vai acabar com a maldita fama de amarelona? Laranja ou Fúria?

11 de julho. Soccer City. Independente do placar, esse jogo entrará para a História.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Soy Celeste hasta la muerte

Boa noite. Inspirar, expirar... Hoje, na Cidade do Cabo, a história uruguaia teve mais um capítulo marcante. Eu sei que a Holanda ganhou. Mas quem disse que a vida é só de vitórias?

Com um time inferior, e desfalcado de jogadores fundamentais como Lugano e Suárez, não deixamos de sonhar. Perante nós, um supertime. Craques renomados e em excelente fase.

No início, um golpe. Chutaço de longe e desvantagem no placar. Estava dando a lógica. Mas esqueceram de avisar para os homens de azul. Se na técnica era impossível, usa a garra!

Na mesma moeda, Forlán empatou. Na marra. Quando o intervalo veio, era nítido o tamanho do esforço dos guerreiros. Não se podia errar.

Segundo tempo. Tome angústia. Na marcação, Arévalo, Pérez, Godín, todos foram leões. Brigavam com lealdade. Mas mostravam aos holandeses: não vai ser fácil pra vocês.

Só que é difícil segurar o talento. Sneijder, candidato a melhor da Copa (e do ano), desempatou. Três minutos depois, o terceiro gol. Acabou?


Nem pensar. Se vamos perder, que a nossa pele fique no gramado.

Com a garra charrua no coração, era tudo ou nada. Não fosse o preciosismo do adversário, certamente tomaríamos mais gols. Só que o risco era necessário.

46 minutos. Em um ato de "irresponsabilidade", jogada ensaiada. Santa coragem. Maxi Pereira reacendeu a esperança. Aos que já davam como certa a vitória da Holanda, era olhar pro relógio e torcer pelo apito final.

Acréscimos... Quem estava assistindo, independente da preferência, sentiu o coração acelerar. Bola na área, alguém empurra a Jabulani pro gol!

O juiz apitou o fim da batalha. Não deu.

Quem disse que nós não devemos sentir orgulho? Como dito no primeiro parágrafo, a vida não é só de vitórias. Perdemos de pé. Jamais baixamos a guarda. Esse é o real valor de um guerreiro: independente do que digam, jamais desistir.

Está estranhando minha fala em 1ª pessoa? Pois saiba que, de hoje até sempre, sou Celeste. Reparou que não citei Abreu? Não é por causa dele a minha decisão.

Saludos.


segunda-feira, 5 de julho de 2010

Guardando o estoque


Depois de quatro semanas, a torcida Alvinegra pôde matar um pouquinho da saudade. Mesmo que pelo rádio. Lá em Corumbá, contra o time da casa, uma vitória por 2 a 0. Pouco? Melhor guardar os gols pro Brasileiro...

Mas antes, outro Feijão no Fogão bem-sucedido. Com a presença de jogadores (diferente de quando é aqui no Rio, por que será?), entre eles Maicosuel, e de Mauricio, a galera teve uma grande tarde lá no pantanal.

Ah, o jogo? Joel não parece disposto a sair do esqueminha do Carioca. Pô, antes o material disponível deixava a desejar. Custa testar um jeito diferente de jogar? Três zagueiros contra o Corumbaense?! Quero ver quando Mago e Loco puderem jogar...

Passado o momento vuvuzela, era pra ter sido uma goleada. Uma chuva de chances criadas e desperdiçadas. Tanto é que o goleiro deles não foi destaque, a pontaria estava ruim mesmo. No 2º tempo, com um pouco mais de ofensividade, Caio e Edno deixaram suas marcas.

Faltam 10 dias pra bola voltar a rolar por aqui. E logo contra quem jogaremos? O time da Lagoa, que teve mais destaque nesse ano nas páginas policiais. Vamos mostrar pra eles que a freguesia voltou, pra nunca mais acabar.

Enquanto isso, a saga uruguaia continua. Que orgulho do nosso 13. Será mais um jogador do Glorioso a ganhar uma Copa do Mundo? Eu não duvido de nada. Saudações Alvinegras!

sábado, 3 de julho de 2010

Dream Team das quartas

Os quatro melhores da Copa do Mundo estão definidos: Holanda, Uruguai, Alemanha e Espanha. Bom, vamos à minha seleção da última rodada. E não é coincidência. O melhor time emplacou mais jogadores.




Agora digam na caixinha qual seria sua seleção!

A Fúria chegou!


Esquisito falar isso, mas é verdade.

A eterna amarelona está nas semifinais. Sem o espetáculo cantado antes da bola rolar. Mas com força pra chegar ao título.

Os responsáveis? O time todo está bem. Muito bem. E dentro dessa alta regularidade, o camisa 7 se destaca. David Villa não é só o artilheiro do Mundial, com cinco gols. É O craque da competição.

Hoje, foi necessário derrubar o valente Paraguai. Quando Piqué cometeu pênalti infantil, os velhos fantasmas pareciam atormentar a Fúria. Casillas tratou de exorcizá-los. Em seguida, outro penal, agora a favor. Perdido por Xabi Alonso. Refugo?

Não dessa vez. Quarta-feira, contra a melhor Alemanha dos últimos 20 anos, os espanhóis tentarão mostrar para os que ainda estão descrentes:

Chegamos!

Don't cry for me, Maradona...



A carruagem albiceleste virou abóbora.

O futebol que encheu de ânimo e confiança os torcedores argentinos, e de outros lugares do mundo também, sucumbiu diante do melhor time do Mundial. É a melhor Alemanha que eu vi jogar. Além da conhecida disciplina tática, conta com jovens talentosíssimos. Combinação letal.

O melhor do mundo não resolveu. Tá, vinha de uma gripe repentina. Mas diferente de Kaká e Ribèry, outras decepções da Copa, estava muito bem assessorado.

Não tem jeito, o craque será sempre o mais cobrado. E se antes os hermanos já cobravam dele o mesmo futebol praticado no Barcelona, agora a corrente "Messi não joga na seleção" ganhará mais força.

Ah, Dieguito... Sua defesinha é sofrível. E ainda por cima, você deixou seus dois melhores volantes assistindo esse fiasco pela televisão. Nunca um "diós" será tão profanado.

Assim como em 2006, vocês nem tiveram tempo de sacanear os brasileiros. E saíram humilhados. Só posso dizer: Auf Wiedersehen!*

*em alemão, "Adeus!"

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Loucura Celeste


Depois de 40 longos anos, o Uruguai está entre os quatro melhores do planeta.

A vaga veio ao melhor estilo Botafogo: com MUITO sofrimento. Empate no tempo normal. Por Gana, Muntari marcou, em falha de Muslera. Forlán empatou no segundo tempo.

A prorrogação foi mais brigada do que jogada. Poucas chances de gol. Até o último minuto, quando Suárez salvou com a mão o que seria a eliminação uruguaia. Gyan teve a chance de entrar pra história. E mandou no travessão.

A agonia dos pênaltis veio. E dois jogadores foram os heróis da Celeste. Muslera se redimiu e defendeu duas cobranças. Na bola decisiva, a responsabilidade era DELE.

Adivinhem o que aconteceu?



Outra cavadinha alucinante. Outra vez, pra ficar guardado na memória.

Holanda? Que venha! O Uruguai está mais forte do que nunca. Loucura pensar na final? Perguntem pro 13.

Nem tudo estava errado...

Voltando um pouco no tempo... Mais precisamente, há quatro anos atrás. Após a eliminação em Frankfurt, exigia-se uma mudança na Seleção. Estava tudo errado.

Bagunça no período de treinamentos. Libertinagem nas horas de folga. Excesso de peso e de estrelismo. O brado nacional expulsou todos os "responsáveis" pelo fracasso na Alemanha.

Ricardo Teixeira elegeu seu "faxineiro": Carlos Caetano Bledorn Verri. Sem experiência como treinador. Mas com a esperança de que sua liderança, comprometimento e pulso firme dos tempos de jogador trouxesse de volta o "orgulho de defender o Brasil".

Resultados vieram. Copa América, Copa das Confederações e 1º lugar nas eliminatórias para a Copa-2010. Mas havia críticas. Em nome de suas convicções, Dunga tomava atitudes estranhas. Em todos os setores da Seleção.

A técnica era deixada de lado, para que os "patriotas" tivessem espaço. O trato com a mídia mudou. Parecia que a impresa era culpada pelo gol de Henry. Os selecionados, antes solícitos, ficaram mais sisudos. Mais rudes. Mais "dunguistas".

Chegado o grande momento, parecia que o novo Brasil daria certo. O estilo de jogo, avesso às nossas tradições, mas extremamente eficiente, aliado ao peso da camisa, nos conduziria ao hexa.



Ledo engano. Os equívocos cometidos ao longo do ciclo eclodiram na África do Sul. A seriedade se transformou em desequilíbrio. O nervosismo do comandante foi absorvido pelos "soldados". E soldado nervoso erra o tiro. E morre.

Novamente, como há quatro anos, os fantasmas serão caçados. Sinal de que nem tudo estava errado.

P.S.: Não ia deixar de dar os parabéns à Holanda. Depois do intervalo, mandaram no jogo. Merecem estar entre os quatro melhores do mundo.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Dream Team das oitavas

Conhecidos os oito classificados para as quartas-de-final da Copa, resolvi escalar minha seleção da última fase. Dos 11, dois voltaram para casa.





E aí? Qual a sua seleção? Comente!

Se eu fosse o Joel...

Todo mundo já se imaginou treinando seu clube de coração. E a torcida Alvinegra tem uma particularidade: quando estamos torcendo, ligamos o "coach mode". Pude perceber isso ao longo dos anos vividos nas arquibancadas.

Difícil lembrar de algum professor que não foi chamado de burro. Do tempo que eu acompanho o Botafogo, só Cuca. Talvez por seu estilo ofensivo, que faz jus às nossas tradições. Retranqueiro aqui tem vida curta.

Papai Joel está no meio-termo. Ganhou o Carioca se defendendo no primeiro tempo e jogando com quatro atacantes no segundo. Mas que se leve em conta o grupo à disposição. Ele fez o que dava pra fazer.

Agora a história é outra. Com os reforços pra nossa linha de frente, a tendência é desmanchar o 3-5-2. Não é o que se viu nos treinamentos. Tá, vamos dar um desconto, Somália ainda está no DM, o Loco tá na Copa e o Mago chegou na terça.

Dentro de poucas semanas, quando todo mundo estiver disponível, aí sim saberemos quais os planos do professor. Mas não custa nada dar ideias. Então, a minha é essa:

Dois esquemas, com os mesmos jogadores. Meus 11: 1-Jeff, 2-Somália, 3-Antonio Carlos, 4-Fábio Ferreira, 5-Leandro Guerreiro, 6-Marcelo Cordeiro, 7-Maicosuel, 8-Sandro Silva, 9-Caio, 13-Abreu e 17-Herrera. Não é impossível. Basta treinamento. E uma formação parecida foi testada lá em Teresópolis, só que com Alessandro (no lugar de Somália) como terceiro zagueiro.








O grupo ainda não está fechado. A diretoria procura um zagueiro, laterais e um volante. Sem nomes, não dá pra comentar. Só esperar. A caixa de comentários está aberta, caso concorde ou discorde. Abraços!

terça-feira, 29 de junho de 2010

Finalmente!


Ah, agora sim! Esse blog tem o Botafogo como prioridade, oras!

Olha ele aí... Maicosuel foi apresentado aos novos colegas na tarde de hoje. A apresentação ainda vai esperar um pouco. Não será um evento qualquer.

Claro, ele ainda tem que treinar, recuperar o ritmo, afinal está de férias há quase dois meses, mas só de ver esse sorrisão já valeu. Ops, nem todos estão sorrindo. A turma da Gávea, das Laranjeiras, de São Cristóvão, já estão coçando a cabeça.

Você, que não é Alvinegro, pode pensar: "tá otimista demais", "o cara só jogou no Carioca", "era reserva na Alemanha"...

Aguardem. Saudações "Mágicas" Alvinegras!

Amarelar? Eu? Tô fora!

O último duelo das quartas-de-final está definido.

O Paraguai faz história. É sua melhor campanha em Copas. Enfrentou um Japão igualmente surpreendente. O jogo foi das defesas. Como o placar não saiu do zero, a primeira disputa de pênaltis foi necessária. E Komano foi o primeiro vilão. Dos oito melhores, quatro são sulamericanos.

Seu adversário será a Espanha. A Fúria chegou prometendo como nunca. Até agora, jogou pro gasto. E assim venceu Portugal, com um gol do artilheiro do Mundial, David Villa. Em posição irregular, pra variar. Aliás, péssima arbitragem de Hector Baldassi. Outra novidade... E não faz mal perguntar: onde está Cristiano Ronaldo?

Lógico que há um favorito. Mas não quer dizer que os europeus já estão classificados. Há que se respeitar nossos vizinhos.

Sábado, duas equipes distintas estarão no gramado do Ellis Park. Mas ambas tentarão provar que não são cavalos paraguaios.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Porto Elizabeth vai tremer!




O sempre favorito contra a eterna promessa.


Duas escolas de futebol ofensivo. Mas que nesta Copa, não se destacam por isso.

O Brasil de Dunga marca primeiro pra contra-atacar com extrema eficiência. Costa do Marfim e Chile já provaram.

A Holanda, 100%, não tem mais o futebol total. Só que conta com Robben, Sneijder, van Persie...

Sexta-feira, 11 horas (horário de Brasília), no Nelson Mandela Bay. Na História das Copas, está 2 a 1 pra nós.

Só sei de uma coisa: não vou perder esse jogaço!

Abraços!

Por um fio

Já se imaginou escalando o Everest, e faltando 100 metros para chegar ao cume, sua corda de segurança arrebenta?

Ou então, você está em uma corrida de Fórmula 1, e a poucos metros da linha de chegada, seu combustível acaba? (Essa já aconteceu...)


Pois é. No último minuto de Holanda e Eslováquia, uma bela TV de LCD 42" escorreu pelos meus dedos. Graças a Stekelenburg, que cometeu um pênalti desnecessário. E a Vittek, o autor do gol.

Broxante.




domingo, 27 de junho de 2010

Gênesis

Saudações Alvinegras!

A partir de hoje, mais um blog surge na rede. Sem pretensões astronômicas. Sentia a necessidade de ter um espaço para falar do que eu sei (pelo menos acho que sei) e gosto: o futebol. Mais precisamente, o Botafogo, como vocês devem ter percebido.


"I have a dream". Melhor, eu "had" um sonho. Queria ser jogador. Não deu. Quando eu descobri de que jeito eu não estragava a pelada (goleiro de futsal), já era tarde. Agora estou a começar minha faculdade. Mas quem sabe o que pode acontecer?


Esta é a continuação do meu blog no Lance! Activo, que já não existe mais. Agora é daqui que eu me expresso. Tentarei atualiza-lo diariamente. Com uma opinião imparcial (menos quando o assunto for o Fogão, rsrs) e descontraída, sem fanatismo, afinal o futebol é um esporte, é lúdico, e assim deveria ser tratado.


Bom, é isso. Espero que gostem. Abraços!